EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish    
Serra da Estrela
 
 
 
  Serra da Estrela | A Tosquia A ver também... Em destaque
 
 

serradaestrela.info

 

A tosquia, corte do pelo das ovelhas, era uma operação anual que decorria na primavera, entre fins de maio e meados de junho, numa altura, portanto, em que os gados da transumância regressavam já da Idanha, Paúl ou de outras terras da Beira Baixa. Normalmente tinha-se o cuidado de procurar uma boa fase da lua. O quarto-crescente e a lua-cheia eram consideradas fases propícias. O local apropriado era também objeto de cuidados especiais e podiam chegar ao extremo de ter que ser purificado com fumo de alecrim bento, cruzes e rezas aos Santos protetores:

 

 “Que a Virgem Maria abençoe a tosquia.

E o Santo Sacramento nos mande bom vento

Vai, Satanás, que a lua não é tua”.

 

No dia aprazado o tosquiador tinha que madrugar mais que o gado e do que os outros pastores e devia receber no campo os animais com um ar mais composto. A tosquia era sempre precedida de uma invocação do género da anterior com os pastores desbarretados. Terminada a prece e ao primeiro sinal da tesoura, iniciavam uma série de cantilenas, focando os diferentes aspetos da tosquia, ou implorando o auxílio dos santos populares. A tosquia fazia-se por ordem de idades. A primeira tesourada era dada no lombo. Depois da cabeça até ao rabo, sempre torneando o corpo do animal. Às ovelhas de estimação deixava-se a ponta do rabo por tosquiar. Terminada a tosquia, o “manajeiro”, de cabeça descoberta chamava as ovelhas uma por uma e no fim, com gesto rasgado, traçava uma cruz sobre o rebanho. Depois, enquanto ele se purificava com água de malvas ou trevo, os outros pastores procediam à marcação das ovelhas. Havia dois tipos de sinais diferentes: as marcas e as siglas; as primeiras que eram simples impressões no lombo ou no quadril, a pez, como que representavam o sinete do pastor sobre o seu gado. As siglas eram pequenas incisões a golpes de tesoura nas orelhas do animal. As mais vulgares eram em ramal, espontada, farpa, porta, forcalha ou forquilha, aguçada, moça e cambo. Finalmente, penduravam uma campainha no pescoço de cada rês.

 

O velo proveniente das diversas partes do corpo da ovelha era separado, formando a lã branca ou saragoça (castanha). A lã, depois, ou era vendida diretamente, para a indústria, ou era lavada manualmente ou nos lavadouros mecânicos, reservando cada pastor para si a quantidade considerada necessária para mandar deitar “maranhas”capaz de assegurar o vestuário da sua família para um ano inteiro. Com a lavagem removia-se a lã suja, a terra e outras impurezas que podiam ser superiores a mais de metade do seu peso, extraindo o excesso de gordura natural, que podia ser aproveitada para produtos de cosmética (lanolina).

 

A próxima “volta da lã” era a cardação. Para formar o fio para tecido penteado, a lã era aberta numa carda e depois de formar uma mecha de fibras, era penteada, o que lhe retirava as fibras mais curtas e as impurezas vegetais. Para formar o fio para tecido cardado, as lãs utilizadas neste processo, normalmente de fibras mais curtas, eram abertas e misturadas na preparação dos lotes, entrando depois nas cardas, onde eram eliminadas grande parte das impurezas vegetais e formadas as mechas.

 

O processo de fiação artesanal consistia em vários passos. Puxadas as fibras da lã, estas ficavam paralelas umas às outras. Torcendo-as, obtinha-se um fio resistente. Para fiar, inventou a mulher a roca, enrolando a lã no topo abaulado de uma cana, com três palmos de comprimento. Entalava-a no cós da saia, debaixo do braço esquerdo e, com o indicador e o polegar da mão esquerda, puxava as fibras, molhava-as com os lábios e torcia-as com o fuso, que rodava suspenso, entre os dedos ágeis da mão direita. Parava um poucochinho e enrolava o fio formado no próprio fuso. Um fuso cheio fazia a maçaroca que depois tinha de passar à dobadoira, para fazer a meada.

 

No processo de fiação mecânica, as mechas provenientes da cardação eram estiradas e torcidas em máquinas, dando origem ao fio penteado ou cardado. Este último fio era utilizado no trabalho artesanal.

 

As fibras, os fios ou mesmo os tecidos, eram submetidos a processos de tingimento específico, para cada estado do processo fabril, de que resultavam os mais variados coloridos.

 

O fio depois de tinto e seco era acondicionado sobre as mais diversas formas, sendo a mais corrente a de cone – bobinagem, ficando assim em condições de ser utilizado.

 

A urdição dispunha os fios de diversas cores e ou qualidades, de forma adequada ao debuxo que se pretendia, formando a teia ou urdido que depois de enrolado no órgão, iria estabelecer o tear.

 

Os primeiros fios que o homem fez devem ter sido grossos, permitindo tecer com os dedos, tal como há muito, entrelaçava ramos e vimes, para formar a cabana, o cesto ou a rede de pesca. A repetição e a observação deram a ideia e a destreza, para melhor fazer. Entre dois paus, fixados horizontalmente no solo, corria-se de um lado para o outro do fio, esticando-se ao máximo. Ficava, assim, feita a teia. Passava-se depois, à mão, entre os fios da teia, os da trama e apertava-se. Assim, aperfeiçoando o método, nasceu o tear. Foi depois de tecer com os dedos que o homem criou o tear de pau, elevando na teia um fio em cada dois, para passar o fio da trama. E inventou um pente para “serrar” a trama. O homem movia, com os pés, a tosca construção de madeira, enquanto as suas mãos iam operando o milagre de transformar o fio em forte tecido. Inventada a lançadeira rápida que não era mais guiada à mão, através dos fios da teia, mas que era atirada em vai e vem, tecia-se com o dobro da rapidez. Os fios da teia com os da trama cruzavam-se no tear de acordo com o determinado no debuxo. Assim se produzia o tecido em “xerga” isto é, não acabado.

 

O acabamento era o conjunto de operações desde a lavagem ao apisoamento, operação típica do tecido cardado que no pisão feltra as fibras de lã (únicas que têm tal característica), dando consistência e toque mais macio ao tecido. Tal operação podia ser levada ao extremo de tornar quase impermeável o tecido de lã, como no caso das capas de pastor. Após a operação de enfestar ou enrolar era obtido o produto final.

 

Bibliografia

Fragmentos do Passado – Manteigas nas décadas de 1950 e de 1960, Nataniel Rosa, 2016

 
A Ovelha e o Pastoreio
A Tosquia
Abrigos do Pastor
Cantaro Magro
Cascalheiras
Corredor dos Mouros
Covão da Ametade
Da Lã ao Burel
Estância de Ski
Lagoa Comprida
Miradouro do Fragão do Corvo
Moreias e Blocos Erráticos
Nave de Santo António
O Pastor e o Cão da Serra da Estrela
Penhas da Saude
Penhas Douradas
Poço do Inferno
Poio do Judeu
Rio Mondego
Rio Zêzere
Torre
Vale da Candeeira
Vale Glaciar do Zêzere
Quinta do Vale do Sanguinho

Quinta do Vale do Sanguinho (Seia)




ALFATIMA - Alojamento e Restaurante

ALFATIMA - Alojamento e Restaurante (Manteigas)




 

Restaurantes em destaque

 

Restaurante Aquarius

Restaurante Aquarius




Restaurante AS TILIAS

Restaurante AS TILIAS

 

 
 


© 2008-2020 Turismo da Serra da Estrela, Alojamentos, Restaurantes, Roteiros
 
  Clientes

 

Registar
Termos e condições de uso

Login

Ajuda

 

FAQ

Privacidade

Sobre nós

 

Sobre o Portal

Serviços

Como anunciar

Contacte-nos

 

Contactos